VOLTAR

BALANCED SCORECARD PESSOAL

Balanced Scorecard Pessoal (BSCP)

O Balanced Scorecard Pessoal (BSCP) cuida do desenvolvimento de competências individuais e o Balanced Scorecard Organizacional (BSCO) trata do desenvolvimento de competências relacionadas com o trabalho e de competências organizacionais. O BSCP funciona como instrumento de aprimoramento pessoal e de auto treinamento para os indivíduos e se concentra no bem-estar e no sucesso pessoal na sociedade (assim como em casa, no clube etc.). De especial importância aqui são a vida pessoal, as habilidades e o comportamento social dos indivíduos.
Por várias razões, a formulação do BSCP é o passo inicial e mais importante no processo de melhoria, desenvolvimento e aprendizado.
Em primeiro lugar e acima de tudo, cria condições para que as pessoas se distanciem das próprias atitudes mentais - o arcabouço de pressupostos e crenças que colorem nossa experiência de mundo - e ouçam efetivamente a própria voz interior. Também permite que melhorem o comportamento e construam o próprio futuro. Afinal, à medida que nos tomamos mais conscientes de nós mesmos, de nossos processos interiores e de nossas motivações, ficamos mais criativos. Quando perscrutamos nosso interior, aprimoramos nossa capacidade de aprendizado, por meio do aumento do autoconhecimento e da melhoria da auto-imagem. Autoconhecimento significa autoconsciência. A definição da própria ambição pessoal envolve a busca da própria identidade. E o conhecimento da própria identidade é a chave da ação.
A segunda razão por que a abordagem do BSCP é tão importante é que a descoberta do equilíbrio adequado entre ambição pessoal e comportamento resulta em paz interior, em menor consumo de energia pessoal e na capacidade de ser orientado pela voz interior - fatores que desenvolvem o carisma pessoal. As pessoas com essa perspectiva de vida importam-se umas com as outras e criam bases estáveis para a própria credibilidade. Quando se conquista essa autoridade interior, também se exerce efeito positivo sobre os sentimentos de lealdade, de dedicação e de motivação das demais pessoas em derredor. De acordo com Kouzes e Posner (1999), a credibilidade dos líderes depende do seguinte:

 Os líderes fidedignos praticam a própria pregação
 Têm palavra
 Agem conforme o próprio discurso
 Pautam suas ações pelo que dizem
 Cumprem as promessas
 Fazem o que afirmaram que fariam.

A terceira justificativa para a adoção do BSCP é que, quando se alcança equilíbrio eficaz entre os interesses dos empregados e os da organização, aqueles trabalharão com maior comprometimento em relação ao desenvolvimento e implementação do BSCO. A formulação do BSCP também envolve alegria, paixão e entusiasmo. Ao mesmo tempo, desenvolve-se a ambição coletiva e pessoal. Quando respondemos às perguntas "0 que queremos para a organização?" e "Para onde queremos ir juntos?", também perguntamos o que queremos para nós mesmos e que situação ganha-ganha acomoda ambos os interesses. Por trás de nosso comportamento encontram-se as necessidades interiores que emergem de nossas experiências pessoais e de nossas atitudes mentais. Essas necessidades e as da organização devem estar alinhadas a bem do aumento da produtividade. Além disso, a clareza dos objetivos pessoais confere significado e direção à própria vida. Ao formular o Balanced Scorecard Pessoal e ao refletir sobre ele, passa-se a conhecer melhor a si próprio e a exercer maior controle sobre a própria vida.
A quarta razão para adotar o BSCP como primeiro passo no processo de desenvolvimento da estratégia é simplesmente o fato de ser a coisa certa a fazer. Não se deve perder mais tempo com o desenvolvimento da estratégia e com a melhoria e mudança organizacionais, de acordo com as abordagens cosméticas tradicionais. A afirmação é ainda mais aplicável quando se trata de aprendizado organizacional, situação em que o Balanced Scorecard Pessoal é condição necessária para a melhoria e para a mudança sustentável. O BSCP cria condições para a reformulação das próprias ambições, objetivos, princípios, padrões e valores, tomando-os disponíveis para o indivíduo em si e para outras pessoas relevantes, em benefício das próprias idéias. Segundo Peter Senge (1990), quando uma organização explora a ambição pessoal de seus empregados como ponto de partida, ela se transforma em instrumento de auto-realização, em vez de atuar como fator de escravização de seus membros. Ele também observa que, com base no entendimento mais comum entre os gerentes, estimular os empregados a desenvolver e a expressar suas ambições pessoais apenas resultará em anarquia e em confusão organizacional. A experiência mostra, contudo, que esses pressupostos são totalmente infundados e que a maioria dos empregados está mais do que disposta a alinhar suas ambições pessoais com as da organização. Stephen Covey (1993) também defende uma abordagem "de dentro para fora". Ele explica que a essência da própria identidade deve ser o ponto de partida. A fim de melhorar o relacionamento com os outros, é preciso começar consigo próprio (ver Ulrich e Lake, 1990). Isso significa que é necessário ser bem-sucedido na vida pessoal, antes de conseguir realizar algo no mundo e que é imprescindível ser leal consigo mesmo antes de fazer promessas aos outros.

Seis Funções do Balanced Scorecard Pessoal

1. Criar a oportunidade para que as pessoas se distanciem de si próprias e de suas atitudes mentais e ouçam efetivamente sua voz interior, o que Ihes permite conhecer melhor a si mesmas, aprimorar o comportamento e agir com ética. Como BSCP, consegue-se perceber com mais clareza os próprios pontos fortes, dons e objetivos pessoais, que por sua vez servem de base para construir o próprio futuro e destino. Assim, a melhoria da auto-imagem e a ampliação do autoconhecimento resultam em maior capacidade de aprendizado. O BSCP também é uma ferramenta para a autogestão, para o auto-treinamento, para o auto-desenvolvimento e para a gestão do tempo pessoal.

2. Promover o equilíbrio entre ambição pessoal e comportamento, que constituirá a base para a conquista de paz interior e para o fortalecimento da própria credibilidade perante os outros.

3. Promover o equilíbrio entre ambição pessoal e ambição organizacional compartilhada, que estimulará a auto-orientação, motivação, criatividade, alegria, paixão, devoção, inspiração, entusiasmo e ação ética.
4. Criar um arcabouço para o próprio futuro e para a melhoria pessoal, com foco no desempenho individual máximo, no bem-estar pessoal e no sucesso na sociedade e também na vida particular.

5. Funcionar como input para o desenvolvimento de competências por cada um dos empregados.

6. Estreitar o hiato entre a vida normal e o estilo de vida dentro da organização.

As mesmas quatro perspectivas do BSCO (financeira, clientes, processos internos e conhecimento e aprendizado) constituem o ponto de partida para o BSCP . Nesse contexto, contudo, têm um significado diferente. Aqui, as perspectivas incluem os resultados pessoais (áreas de resultados), que são de importância essencial para o auto desenvolvimento, para o bem-estar pessoal e para o sucesso, a saber:

1. Financeira: Estabilidade financeira. Até que ponto se é capaz de atender às próprias necessidades financeiras?

2. Clientes(externa):Relacionamentos com a esposa, com os filhos, com os amigos, com o empregador, com os colegas e com outros. Como se é visto por essas pessoas?

3. Processos internos (interna): A própria saúde física e o próprio estado mental. Como controlar esses fatores, a fim de criar valor para si próprio e para os outros?

4. Conhecimento e aprendizado: Habilidades e capacidade de aprendizado. Como se aprende e como preservar o sucesso no futuro?

Missão Pessoal

A declaração de missão abrange a filosofia de vida e os objetivos pessoais do indivíduo, dizendo quem é, por que está neste planeta, quais são os seus propósitos na vida e quais são as suas aspirações pessoais mais profundas. Tal formulação baseia-se na busca de identidade pessoal (autoconhecimento).

Visão Pessoal

A declaração de visão pessoal descreve aonde se quer chegar, os valores e princípios que orientam o indivíduo, o que se representa, o que se pretende realizar na vida, o que se quer alcançar, as características pessoais a serem desenvolvidas e quais são os ideais da pessoa em termos de trabalho, vida pessoal, estado de saúde e assim por diante. A formulação da visão e da missão pessoais tem o intuito de aumentar a capacidade de aprendizado e assim criar condições para a melhoria do comportamento. Essa mudança de comportamento individual resulta em aprendizado organizacional, o que por sua vez redunda em um padrão
coletivo de mudança, chamado mudança organizacional. De acordo com as escrituras sagradas hinduístas, conhecidas como Vedas, a visão pessoal está relacionada com o conhecimento (Leifer,1997). Visionário é alguém que vê ou sabe o que os outros não vêem. O conceito budista de visão define a sabedoria. Sabedoria significa ver com clareza a natureza da existência e da situação humanas nessa vida. O oposto de sabedoria é ignorância. O termo em sânscrito para ignorância é avidya, que significa cegueira. O termo tibetano para ignorância é ma-rig-pa,que significa falta de inteligência. De acordo com a filosofia ocidental, os visionários são sábios (esclarecidos), enquanto as pessoas sem visão
pessoal são cegas e ignorantes (carentes de inteligência). Tal ignorância também caracteriza as pessoas com visões pessoais equivocadas, que resultem em ações absurdas e inúteis, que tragam desgraças para si próprias e para os outros.

A partir desses insights, H.K. Rampersad projetou por extrapolação o seguinte:

Papéis-chave

Os Papéis-chave se relacionam com a maneira como o indivíduo pretende exercer suas diferentes funções na vida e assim realizar sua missão e visão pessoais. Que tipo de relacionamentos se pretende manter com os colegas, amigos, família, vizinhos e outros? A definição dos próprios papéis-chave também resultará em maior autoconhecimento e em melhor auto-imagem, o que, por sua vez, também aprimora a capacidade de aprendizado. De acordo com Stephen Covey (1993), a ambição pessoal (missão, visão e papéis-chave) é como uma espécie de constituição pessoal, em que se baseiam o estilo de vida e o comportamento individuais, os quais, por sua vez, norteiam as decisões sobre o que se quer fazer e atingir. Os papéis-chave devem ser formulados de tal maneira que estimulem a reflexão sobre a vida e seus empreendimentos.

Fatores Críticos de Sucesso Pessoais

As questões centrais aqui são: Que fatores tomam-me singular? O que determina meu sucesso pessoal? Que fatores em minha missão, visão e papéis-chave são essenciais para a realização de meus objetivos pessoais? Quais são minhas competências mais importantes? Os fatores críticos de sucesso pessoais decorrem da missão, da visão e dos papéis chave. Também se distribuem pelas quatro perspectivas do BSC (financeira, externa, interna e de conhecimento e aprendizado).

Objetivos Pessoais

A questão central aqui é: Que resultados pessoais mensuráveis a curto prazo quero atingir? Os objetivos pessoais descrevem um resultado pessoal a ser atingido, a fim de realizar a visão pessoal. Decorrem dos fatores críticos de sucesso e também são conseqüência da análise dos respectivos pontos fortes e pontos fracos. Servem como marcos a serem ultrapassados. O BSCP evita a quantificação dos objetivos pessoais, o que será feito em estágio posterior, por meio dos indicadores e metas de desempenho pessoal. Cada fator crítico de sucesso pessoal tem um ou mais objetivos que se enquadram numa das quatro perspectivas do Scorecard.


Indicadores de Desempenho Pessoal
Esta seção do BSCP trata das seguintes questões: Como medir meus resultados pessoais? O que toma mensuráveis meus objetivos pessoais? Os indicadores de desempenho pessoal são critérios de mensuração com os quais é possível avaliar a própria atuação em relação aos fatores críticos de sucesso e aos objetivos pessoais. Esses indicadores medem - para cada perspectiva do Scorecard e para cada fator crítico de sucesso pessoal - o grau em que estão sendo atingidos os objetivos pessoais. Os indicadores de desempenho pessoal tornam mensuráveis a visão e os objetivos pessoais.

Metas Pessoais
As metas pessoais são os alvos quantitativos dos indicadores de desempenho pessoal, ou seja, os valores perseguidos e depois avaliados por meio de um indicador de desempenho pessoal. As metas apontam os valores a serem alcançados.

Iniciativas de Melhoria Pessoal
As iniciativas de melhoria pessoal são estratégias utilizadas para a realização da missão, da visão e dos objetivos pessoais. Servem para melhorar as competências e comportamentos pessoais e, portanto, para aprimorar o desempenho. O como é essencial aqui: Como quero atingir meus resultados pessoais? Como posso realizar meus objetivos pessoais? Como serei capaz de melhorar meu comportamento? Como conseguirei garantir que aprendo o tempo todo, sob os pontos de vista individual e coletivo?

BALANCED SCORECARD PESSOAL

Preparado com base em Scorecard para Performance Total de Hubert K. Rampersad, obtido em pesquisa na internet e traduzido do inglês


................................................................................................................................................................................